Tuesday, February 16, 2016

A Entrevista - Edgar Allan Poe

Linked by...

Quando comprei este livro na Feira do Livro de Lisboa (2014), foi com a intenção de colmatar a falta do título "O Corvo" de Edgar Allan Poe, que figurava na nossa lista de livros por ler. Mas ao escolher esta edição, acabei por estabelecer inevitavelmente uma nova ligação, desta feita ao conto "A Entrevista" , também de Poe, aqui numa tradução de Antero de Quental.

Sendo a segunda obra de Edgar Allan Poe que surge no blogue, encarei a leitura deste conto como um maravilhoso bónus, pois pessoalmente nutro uma enorme vontade de aprofundar o meu conhecimento sobre este autor. 

Linked synopsis...
Não tendo encontrado a sinopse em português, optei por partilhar uma sinopse em espanhol.
nota:  "A Entrevista" foi publicada em 1834 com o título "The Visionary" e posteriormente como "The Assignation".


"La Cita (The Assignation) es un relato gótico del escritor norteamericano Edgar Allan Poe; publicado por primera vez en 1834 y reeditado con algunas correcciones en 1845. Se trata de un cuentomuy estudiado debido a que la historia de amor, aparentemente, está basada en la relación de Lord Byron con la Condesa Teresa Gamba Guiccioli.


La Cita es, esencialmente, un cuento gótico, con una atmósfera concebida y ejecutada de manera genial. La historia está atravesada por un amor inconcluso, que desemboca en el suicidio. Pero detrás de esta trama, cuidadosamente urdida por Edgar Allan Poe, subyace toda una concepción artística del amor y sus implicancias éticas."


Linked opinion...

Edgar Allan Poe interessa-me. Tenho enorme vontade de percorrer e descobrir a sua obra, pelo que espero que o Linked Books continue a proporcionar ligações que para ele me encaminhem. "A Entrevista" é a segunda obra do autor lida neste blogue, mas é o primeiro conto (foi lido anteriormente "O Corvo", um poema).

Após a leitura deste conto, fiquei com uma opinião dividida. Para mim, o que tem de melhor é a forma como Poe o escreveu. A sua forma de escrever é qualquer coisa de superior, brilhante e singular. Fez-me ter vontade de reler certas passagens no original, e quando me rendi a essa vontade, senti que o original confirma e destaca ainda mais o dom deste autor com as palavras. Como à parte, informo que é relativamente simples encontrar sites onde se pode ler gratuitamente este conto no original, o que aconselho (com o devido respeito ao tradutor desta edição, o "nosso" digníssimo Antero de Quental).

No que respeita aos restantes aspectos positivos desta obra, julgo que o local escolhido como cenário para a história (Veneza) é um deles, e a possível ligação a Byron, outro. No entanto, esta ligação a Byron e à história de amor real vivida entre ele e a Condessa Teresa Gamba Giuccioli não está "visível" no conto, e só após pesquisa a descobri. Talvez não seja pois correcta considerá-la nesta opinião sobre o conto.

Os aspectos negativos têm mais a ver comigo e com os meus gostos pessoais enquanto leitora, que com a qualidade do conto. Ainda assim, os exponho em seguida. Em primeiro lugar, o enredo é denso ao ponto de muitas vezes me ter perdido nele. Foram várias as vezes em que me vi forçada a voltar atrás para conseguir entender o que estava a acontecer. Aqui o trabalho de escrita exímio de Poe teve algumas vezes como consequência a perda de ritmo, que acabou por prejudicar a leitura. Outras vezes ainda, verifiquei que tinha dificuldade em imaginar os locais e personagens a partir das sensações (apesar de verdadeiramente magníficas) que Poe transmitia. A história em si também não a achei muito interessante, e considero que tem um fim previsível. Estes pequenos pormenores fizeram com que enquanto leitora, não me conseguisse "ligar" à história ou sentir-me por ela envolvida.

Contudo e apesar dos aspectos negativos, julgo que este não será um conto que esquecerei facilmente. Uma vez que permaneço dividida na minha opinião sobre o conto, assim também o estou em relação à minha recomendação sobre a sua leitura. Pessoalmente a leitura valeu-me o contacto com a arte da escrita em prosa de Poe, o que foi enormemente positivo e por si só compensa a sua leitura. Por outro, não gostei particularmente da história, pelo que apenas cada leitor poderá avaliar pela sinopse se seria uma história potenciadora de lhe gerar interesse.

Linked opinion by others...

«Um texto de amor e de morte. A Entrevista é uma jóia que Antero trabalhou em português, respeitando-a enquanto objecto literário perfeito. Enquanto corpo desse amor eterno.»
Diário de Notícias

Linked books...

Utopia - Thomas More (os livros do autor foram mencionados, sem Poe ter especificado um em particular. Este título foi o escolhido para estabelecer a ligação entre as duas obras, uma vez que já se encontrava na nossa lista de livros a serem lidos)

Orfeo - Angelo Poliziano

Primaveras Românticas - Antero de Quental (obra mencionada nas notas)

Bussy D'Ambois - George Chapman

Linked people...
Sir Thomas Morus
(foram mencionados os livros deste escritor do século XVI)
Imperador Cómodo
Ravisius Textor
Cimabué
António Canova
(escultor)
Antínoo
Angelo Poliziano
Linked places...
Rialto
(Veneza, Itália)
Esparta
(Grécia)
Persépolis
(foram mencionados os templos de Persépolis)
Linked landmarks...
Ponte dos Suspiros (Veneza, Itália)
Relógio da Piazza
(Praça de São Marcos, Veneza, Itália)
Praça Campanille
(São Marcos, Veneza, Itália)
Palácio Ducal
(Veneza, Itália)
Palácio Mocenigo
(Veneza, Itália)
Linked waterways...
Grande Canal
(Veneza, Itália)
Linked animals...
Condor
Linked flowers...
Jacinto
Lírios
Linked mythological figures...
Níobe
Linked art...
Madonna della Pietá de Guido de Reni

Linked looked up words...
estos - a maior altura que atingem as marés; ondulação ruidosa; [figurado] calor, ardor, efervescência.
ignaro - que não tem conhecimentos, instrução = ignorante; que é desconhecido ou ignorado; que não tem prudência ou sensatez = imprudente; indivíduo estúpido = idiota, ignorante, parvo.
palor - palidez.
pompeava - ostentar ponpa; apresentar sumptuosidade, magnificência ou riqueza; [figurado] ostentar vício ou beleza; fazer pompa de.
túrbida - que é turvo, sombrio, escuro; que inquieta = inquietante, perturbador.

1 comment:

  1. Como sempre, adorei ler a tua opinião.
    Infelizmente não tenho uma boa opinião do autor porque li um conto dele e custou-me IMENSO a ler. Foi um verdadeiro martírio. O conto foi "Os crimes da rua morge".
    Talvez çlhe dê outra oportunidade no futuro. Por agora o livro de contos dele fica ali na estante bem fechadinho :P
    Roberta

    ReplyDelete