Sunday, December 30, 2012

Labirinto - Robert Silverberg

Linked by...
Mais um livro que está "linkado" ao livro "Até à Eternidade" de James Jones, mas desta vez não porque James Jones o tenha mencionado no texto do seu livro, mas por causa da publicidade da editora presente no exemplar que li. Vários eram os títulos de ficção científica que as Publicações Europa América aproveitaram para divulgar nesse livro, contudo retive apenas um dos títulos, este, de Robert Silverberg. A razão prendeu-se únicamente com o facto de existir um exemplar disponível na Winking Books.

Este será o primeiro livro de ficção científica lido no blogue, e quem nos acompanha e conhece a nossa missão, sabe bem que nenhum título, de nenhum género é por nós rejeitado. O que não quer dizer que a vontade fosse muita ao se dar início a esta leitura. Mas continuo a querer "seguir essas ligações e ver onde me levam", pelo que foi de mente aberta que me lançei na sua leitura.

Linked opinion...  
Apesar de este ser o primeiro livro de ficção científica do blogue, não foi o primeiro que eu li. Longe disso até. Houve uma altura da minha vida, julgo que deveria ter uns doze ou treze anos, em que os únicos livros que eu tinha acesso para comprar (sem depender de ninguém para o fazer) eram os de uma pequena papelaria/tabacaria ao lado de minha casa. Nessa papelaria, e nessa época, os únicos livros que se vendiam era uma colecção de bolso da Caminho (não estou certa) , que tinha policiais (capa preta) e histórias de ficção científica (capa azul). Durante um determinado período de tempo, muito do meu poupadinho dinheiro foi para comprar livros destes.

Dessa época, e em particular dos livros de ficção científica recordo essencialmente uma grande desilusão com este género literário. Porquê? Porque adorava e havia seguido religiosamente as séries televisivas Buck Rogers, Galactica, e Espaço 1999, as aulas sobre os planetas, a visita ao planetário (que ainda hoje recordo com emoção), e adorava conversar e pensar (e ainda gosto) sobre o futuro da humanidade. Julgava assim ter o perfil perfeito para leitora deste género literário. No entanto, não consegui gostar de um único livro de ficção científica lido naquela altura, apesar da minha persistência em ler vários. Recordo histórias difíceis de entender, realidades inventadas sem nexo, uma profusão de nomes de objectos mirabolantes, e enredos pouco trabalhados e desinteressantes. Enfim, uma dificuldade geral da minha parte em conseguir entender. Talvez fosse da idade, não sei. Julgo que provém deste meu passado a falta de vontade que senti, em ler este livro em particular.

A experiência com este livro foi um pouco diferente. Trata de uma realidade inventada, como não podia deixar de ser, mas com nexo. É uma história com algum interesse, bem imaginada, e que promove uma pequena reflexão sobre o futuro da humanidade e sobre a natureza dos seres humanos. É contudo já um pouco antiga, e com certeza terá tido maior impacto no seu tempo, do que para o leitor de agora. Deverá ser pois entendido como um clássico deste tipo de literatura.

Um dos aspectos que mais gosto em ficção científica, é pensar sobre a plausibilidade daquilo que é hoje imaginado se transformar na realidade do futuro. Achei muito curioso neste livro o facto de torneiras com sensores, que deitam água quando colocamos as mãos debaixo da torneira e páram quando retiramos as mãos, terem sido imaginadas neste livro, e hoje fazerem parte do nosso dia-a-dia.

Um aspecto deste livro em particular que não apreciei nem um pouco é o papel da mulher nesta história. A mulher aparece raramente neste livro, e quando surge é enquanto elemento completamente secundário e acessório, como complemento necessário à vida do homem e praticamente apenas para sua satisfação sexual. Uma visão de enorme desigualdade entre sexos, e diria mesmo machista. Provavelmente, uma consequência dos tempos em que a obra foi escrita. Contudo, não deixei de me surpreender como é que um autor tão imaginativo, que constroi realidades fascinantes num futuro distante, que pensa o futuro da humanidade, consegue ser tão limitado no seu pensamento sobre a evolução e o papel das mulheres nesse futuro. Mais me surpreende ainda, como é que o autor se "safa" com isto, uma vez que é (ou foi) um dos autores de ficção científica mais notáveis e reconhecidos do séc XX. Não estou a par das estatísticas, mas suspeito que talvez poderá ser por este género interessar a poucas mulheres...

Resumindo, não recomendo. Há livros bem melhores para ler, e não se aprenderá grande coisa com este nos tempos que correm. Contudo se optar por ler, terá acesso a uma história razoável e interessante, mas já um pouco "fora de tempo".

Linked books...

A Ilíada  - Homero (foram mencionados Nestor e Orestes, personagens da Ilíada de Homero)

A Odisseia - Homero (foi mencionado Nestor, personagem da Odisseia de Homero)

O Inferno - Dante Alighieri ( Robert Silverberg utilizou a frase "Abandonai toda a esperança, vós que entrais aqui" )

Édipo Rei - Sófocles

Prometeu Acorrentado - Ésquilo 

Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens - Rousseau (foi apenas mencionado o autor e não a obra. Esta obra foi a escolhida pois já estava na lista dos livros a ler deste blogue)

Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant (foi apenas mencionado o autor e não a obra. Esta obra foi a escolhida pois estava disponível na Winking Books)

Elegias Amorosas - John Donne  (foi apenas mencionado o autor e não a obra. Esta foi a obra escolhida por ser a única edição em português do autor, disponível de momento na Wook)

A Torre de Vidro - Robert Silverberg (um dos títulos mencionados na nota biográfica do autor, escolhida de entre as vários outros título nela mencionados, por estar disponível na Winking Books)

Linked mathematical concept...



Linked music...
Foi referida a música de Débussy, Schoenberg, e Bach, sem especificar. Apenas se diz no livro que foi "tocada com um aparelho de soprano". Optei por escolher um trecho de cada um destes compositores, para partilhar aqui.





Linked citation...

"Pode-se adquirir tudo na solidão, menos o caráter."
                                                                              Stendhal

Linked drink...


Chartreuse

Linked words...

cadinho -  recipiente em barro refractário, ferro ou platina utilizado para as reacções químicas a altas temperaturas. [Metalurgia]  Parte inferior de um alto-forno onde se acumula o metal fundido. 

burilar - abrir sulcos com buril. = ENTALHAR, GRAVAR, LAVRAR; retocar ou melhorar o estilo de. =APRIMORAR, APURAR; ficar indelevelmente na memória. = GRAVAR, INCUTIR

sátiro - semideus, com pés e pernas de bode, que habitava as florestas; [Entomologia]  género de borboletas diurnas; [Figurado]  homem devasso e luxurioso.
missantropo - que ou quem não gosta da convivência social; que ou quem é melancólico; que ou quem tem aversão aos seres humanos

No comments:

Post a Comment