Saturday, September 29, 2012

À Espera no Centeio - J.D. Salinger

Linked by...
Este foi um dos primeiros livros a ser mencionado neste blogue, e há muito tempo que procurava uma edição para ler. No entanto, ele foi mencionado no livro "Wilt" de Tom Sharpe, com o título "Uma Agulha no Palheiro", e apesar de haver nas livrarias a edição em língua inglesa "The Catcher in the Rye", eu esperava encontrar um livro da edição dos Livros do Brasil. Assim, passava-me ao lado que havia uma nova edição, da Quetzal, mas com outro título. Foi um simpático empregado da Fnac do Colombo que mo informou, mas acabei por o ir comprar na Bertrand no piso abaixo, uma vez que na Fnac não havia (que traição...). Enfim,..uma grande labuta para finalmente ter nas mãos um exemplar novinho em folha. É escusado dizer que estava deveras entusiasmada por finalmente o ir ler.

Linked opinion...
Não sei se posso dizer que este livro foi uma desilusão, porque até gostei. Contudo a expectativa estava muito elevada, já que foi considerado um dos 100 melhores romances escritos em língua inglesa do séc XX, e a sinopse prometia bastante. 

Consigo entender o sucesso do livro e o impacto que teve, mas julgo que para isso, é necessário contextualizá-lo na época e na sociedade em que foi escrito. Também fiquei um pouco arrependida de não ter optado pela versão em língua inglesa. Isto porque me parece que o calão e a oralidade, imagem de marca deste livro, parecem perder com a tradução. Chegou até a ferir-me os "ouvidos", a repetição abusiva das palavras bestial e bestialmente, que no calão juvenil português,  é hoje em dia desadequado, nem no meu tempo de vida me lembro de ter sido utilizado. Dei comigo sem querer, a substituir algumas palavras, como por exemplo a "bestial" que é a mais recorrente, para o português brutal, ou para o norte-americano "awesome" , para que a oralidade me fosse mais credível. É claro que a tradução deve ter tido em conta a data em que a história foi escrita,  e estará com certeza totalmente correcta, mas para mim enquanto leitora, teve um efeito estranho. O facto é que não li a versão original, logo, pouco me posso pronunciar sobre se  essa seria realmente a melhor opção.

Passando por cima destes pormenores, que não passam disso mesmo, temos um romance americano com algum interesse, que trata fundamentalmente das questões ligadas com a adolescência e com a rebelião própria dessa fase. Um personagem central forte, que me atraiu pelo seu enorme coração, bondade, generosidade, e pela sua forma de pensar diferente e original. Fez-me relembrar aqueles tempos em que o mundo e a sociedade parecem não fazer sentido, em que parece que não encaixamos, e onde queremos ser tudo menos "iguais aos nossos pais". Fiquei a interrogar-me sobre o seu futuro, e a torcer para que de facto tivesse tido a coragem de ser diferente e de pautar a sua vida por outras normas. No entanto, o mais provável é que a certo ponto da sua vida, como acontece com a maioria de nós, o conformismo tenha levado a melhor.

É um livro que apesar de não aconselhar, não desaconselho...Julgo que valerá a pena lê-lo por vários motivos, nem que seja apenas por uma questão de cultura literária,  para os adeptos do romance americano. Estou certa também que muitos jovens adolescentes  podem também encontrar aqui um bom livro para ler.

Por ultimo, gostaria também de dizer que me lembrar o livro "A Última Saída para Brooklyn", pelo uso da oralidade e do calão. Contudo, em minha opinião o retrato social de Hubert Selby Jr., é superior ao retrato da alienação adolescente de Salinger. Mas isso é só a minha opinião, é claro.

Linked books...
The Great Gatsby - F. Scott Fitzgerald
David Copperfield - Charles Dickens
Beowulf
África Minha - Isak Dinesen
Romeu e Julieta - William Shakespeare
Hamlet - William Shakespeare
Oliver Twist - Charles Dickens
O Adeus às Armas - Ernest Hemingway
Servidão Humana - William Somerset Maugham 
The Return of the Native - Thomas Hardy
I Know my Love: A Comedy in Three Acts - Marcel Achard
Warped in the Making: Crimes of Love and Hate - H. Ashton-Wolf (referido o "personagem" Monsieur Blanchard)

 Linked poems...

Lord Randall

“O where ha you been, Lord Randal, my son?
And where ha you been, my handsome young man?”
“I ha been at the greenwood; mother, mak my bed soon,
For I’m wearied wi hunting, and fain wad lie down.”

   “An wha met ye there, Lord Randal, my son?
An wha met you there, my handsome young man?”
“O I met wi my true-love; mother, mak my bed soon,
For I’m wearied wi huntin, an fain wad lie down.”

   “And what did she give you, Lord Randal, my son?
And what did she give you, my handsome young man?”
“Eels fried in a pan; mother, mak my bed soon,
For I’m wearied with huntin, and fain wad lie down.”

   “And wha gat your leavins, Lord Randal, my son?
And what gat your leavins, my handsom young man?”
“My hawks and my hounds; mother, mak my bed soon,
For I’m wearied wi huntin, and fain wad lie down.”

   “And what becam of them, Lord Randall, my son?
And what became of them, my handsome young man?”
“They stretched their legs out an died; mother, mak my bed soon,
For I’m wearied wi huntin, and fain wad lie down.”

   “O I fear you are poisoned, Lord Randal, my son!
I fear you are poisoned, my handsome young man!”
“O yes, I am poisoned; mother, mak my bed soon,
For I’m sick at the heart, and I fain wad lie down.”

   “What d’ ye leave to your mother, Lord Randal, my son?
What d’ye leave to your mother, my handsome young man?”
“Four and twenty milk kye; mother, mak my bed soon,
For I’m sick at the heart, and I fain wad lie down.”

“What d’ ye leave to your sister, Lord Randal, my son?
What d’ ye leave to your sister, my handsome young man?”
“My gold and my silver; mother, mak my bed soon,
For I’m sick at the heart, an I fain wad lie down.”

“What d’ ye leave to your brother, Lord Randal, my son?
What d’ ye leave to your brother, my handsome young man?”
“My house and my lands; mother, mak my bed soon,
For I’m sick at the heart, and I fain wad lie down.”

“What d’ ye leave to your true-love, Lord Randal, my son?
What d’ ye leave to your true-love, my handsome young man?”
“I leave her hell and fire; mother, mak my bed soon,
For I’m sick at the heart, and I fain wad lie down.”


----------------

 Comin Thro´The Rye
by Robert Burns

O, Jenny's a' weet, poor body,
  Jenny's seldom dry:
She draigl't a' her petticoatie,
  Comin thro' the rye!

Comin thro' the rye, poor body,
  Comin thro' the rye,
She draigl't a' her petticoatie,
  Comin thro' the rye!

Gin a body meet a body
  Comin thro' the rye,
Gin a body kiss a body,
  Need a body cry?

Gin a body meet a body
  Comin thro' the glen,
Gin a body kiss a body,
  Need the warl' ken?

Gin a body meet a body
  Comin thro' the grain;
Gin a body kiss a body,
  The thing's a body's ain.


 Linkeds brands...


Jaguar (Não foi especificado o modelo. O modelo da imagem é um 3.5 litre, fabricado entre 1937 e 1948)
Vicks
Cadillac (O modelo não foi referido. Na imagem o Cadillac 90 Town Car de 1940)
Vitalis
Buick
Kolynos
Gladstone
Vogue
Lasalle
Mark Cross
 Linked songs...

 Smoke gets in your eyes
 
 Oh Marie

Song of India


Slaughter on Tenth Avenue

Just one of those things

Little Shirley Beans


Tin Roof Blues



Linked New York theatres...

Paramount Theatre
Astor Theatre
Strand Teathre
Capitol Theatre
 Linked dance...

 

Linked movie...

 
filme completo aqui

No comments:

Post a Comment