Tuesday, July 17, 2012

O Estranho Caso do Dr. Jekyll e de Mr. Hyde - Robert Louis Stevenson

Linked by....
Foi com agrado que vi mencionada no livro Até à Eternidade de James Jones, esta obra já minha conhecida. Tendo conseguido um exemplar em perfeitas condições na Winking Books, sabia que me esperava uma boa (re)leitura, e inciei-a expectante sobre os "links" que esta obra poderia ter.

Nota - este título foi posteriormente mencionado também em:
Linked opinion...
Tal como esperado, foi muito bom reler este pequeno livro. É uma história muito bem imaginada e contada, cujo tema central é a eterna dualidade entre o Bem e o Mal, e como esses conceitos coexistem na natureza humana. Será que a tendência natural do ser humano é a do bem ou do mal? Será aliás esta interrogação válida, uma vez que são conceitos construídos socialmente? Talvez seja, uma vez que a necessidade da sua construção, se deveu à necessidade de regular os comportamentos humanos. A noção de mal, destrutivo, abjecto, pecaminoso, criminoso, cuja punição é necessária, serve pois para regulação, no sentido de diminuir ou erradicar esse tipo de comportamentos. Segundo esta linha de pensamento, existe assim uma tendência natural humana para o mal, caso contrário nem um nem outro conceito teriam sido necessários. Logo o Bem não existiria sem o Mal. É claro que estes chavões absolutos por vezes são difíceis de distinguir na vida real, e daí a necessidade da lei, e quando esta é inexistente, da moral, dos valores, e da consciência, todos eles também incutidos em nós socialmente. Se seguirmos a história do protagonista deste livro, também aparentemente o mal reside na sua natureza mais básica, e tendo tido liberdade de expressão aparenta ser essa a estrutura que lhe confere uma maior liberdade. Não terá sido por isso, que não surgiu um personagem que representasse o Bem? Enquanto Hyde, ele rejuvenescia e detinha tamanha liberdade, que liberto das normas sociais rapidamente ganhou força, sendo-lhe difícil no fim sair dessa personagem.  Mas mesmo Hyde se viu vítima das pressões sociais, que ditaram o seu fim. Foi a sociedade a regular impedindo a existência de tal ser. É engraçado que o mal em Hyde até tinha expressão física, nos defeitos e na deformidade... O Dr. Jekyll quis alterar a essência da sua alma dual, separando-a por meios químicos (de drogas) e foi este o resultado. A nossa essência sabemos hoje ser de base genética, sendo o resto construido socialmente. Talvez seja mesmo o nosso ADN o que temos de mais parecido com a imortalidade, pois é nele que temos a continuação daquilo que somos, e é para garantir essa continuidade que a maioria das pessoas vive a sua vida.  Se sabemos que a manipulação genética permitirá no futuro a erradicação de todas as deformidades e doenças físicas, poderá esta "tendência para o mal" ser também manipulada? Será  possível criar Dr. Jekylls ou Dr. Hydes por manipulação genética? A ideia natural assim seria erradicar os Hydes, à imagem das doenças. Socialmente (a outra parte da nossa construção enquanto indivíduos) , e teoricamente, aparenta ser mais fácil criar condições para que sejam criados Hydes, e temos visto muitos deles infelizmente na história da nossa humanidade. Normalmente nesses casos, retiram-se as culpas da sociedade para as apontar ao indivíduo, logo à sua genética...como se de uma mutação se tratasse. E as mutações genéticas garantidamente serão possíveis de tratar. Significará tal facto que manipular genéticamente equivale a alterar a essência da natureza humana? Podia-se por outro lado (utópicamente claro) , ditar o fim das regras, fazendo cair a existência do bem e do mal, de comportamento desejado ou indesejado, para apenas existir comportamento. Como seria esse comportamento? Qual deles subsistiria?... Estranhamente chego à resposta que não desejava obter, mas que a vida nos vai ensinando: que existe um Hyde em cada um de nós, refreado apenas pela sociedade.  Não esqueçamos também, que quando falamos de humanidade em geral, somos mais parecidos uns com os outros, do que aquilo que julgamos ou queremos ser...

Linked movies...
É bastante diversa a oferta de produtos de entretenimento televisivos e cinematográficos associados a este título, tal como se pode ver nesta listagem da IMDB (Internet Movie Database). Escolhi alguns trailers para partilhar aqui.






Linked books...
A Bíblia Sagrada (Caim e Abel)
Na biografia do autor na contra capa do livro aparece referida outra obra deste autor que já faz parte deste blogue:

Linked places...
Foram vários os locais de Londres mencionados. Tentei partilhar aqui imagens desses locais, que se aproximassem o melhor possível do retrato da época do livro (século XIX).

Cavendish Square (Londres, Inglaterra)
Portland Street (Londres, Inglaterra)
Regents Park (Londres, Inglaterra)
Soho (Londres, Inglaterra)
Linked words...
escaninho - compartimento ou casinha de secretária ou de qualquer outro móvel; lugar de segredo (em qualquer móvel); [Figurado]  Esconderijo; recanto.
álgido - muito frio; afecção caracterizada por sensação de frio.
valhacouto - morada ou refúgio de gente má.

No comments:

Post a Comment